Saí correndo pra cozinha pra pegar o copo maior que tinha no armário, encher de agua, colocar três colheres de açúcar bem cheias, pra dar pra dona Patolina antes de entregar a bomba.

Por sorte tinha lá um copo de requeijão, enchi de garapa até a borda.
Entrei na sala e dei meu grito de guerra!
-Dona Patolina, tenho uma bomba pra lhe entregar!
Está doida sua alvoroçada sem um pingo de juízo, minha mão é lugar de depositar bomba?
-Não, dona Patolina, a senhora não entendeu, a bomba é de papel pra sra ler e por isso lhe trouxe uma garapa de açúcar pra beber antes.
E só lhe entrego depois que beber essa garapa todinha!

Me dê esse negocio logo de uma vez!

Eu sou lá mulher de enfrentar bomba com garapa.
Beba você!
E eu bebo mesmo, pra sustentar a sra depois, porque a pena aqui vai avoar!
E pra meu espanto, tomou o papel da minha mão, abriu e leu todinho do pé a ponta, do começo ao fim sem ficar nem branca, nem roxa e nem amarela e sem soltar uma pena sequer e falou bem assim:


-AH CONDENADA!


E foi aí que lhe indicaram o tal do Dr. Frangolino Não Comparecido! que lhe cobrou uma nota, e de posse da papelada toda e levando consigo a bomba se foi.
E passaram-se os dias, e ninguém mais tocava naquele assunto, aguardavam o dia da famosa PELEJA que ficou marcada para sempre nos miolos da dona Patolina.


E semana vai e semana vem!


Por fim chegou o grande dia.

O dia do preto no branco.

Aliás um dia antes lá pelas cinco da tarde a dona Patolina manda o Patolino ligar para o Dr. NC para combinarem o encontro e a hora da Peleja.
E como seu Patolino demorou cinco minutos, dona Patolina tomou o telefone da mão dele e disse:

Deixe meu angu que eu mexo sozinha visse!


Bem que o copo de garapa ia servir nessa hora! E Foi bem assim! desse jeitin!


-Olá dona Patolina! boa tarde! atendeu o frangolino.
-Como tem passado a sra?
-Nem bem nem mal respondeu a pata choca
-Dr. NC, estamos aguardando até agora que o sr se manifeste no sentido de nos comunicar onde vamos nos encontrar, e a que horas.


-Dona Patolina, aguarde um pouco, vou consultar na agenda e já retorno pra sra.
E em cinco minutos liga o frangolino com a seguinte resposta.


-Dona Patolina, pelo amor de Deus, comi bola!
Oxente, o senhor virou cachorro foi? Onde e quando foi isso?


-Dona Patolina, eu não sei onde anda meu juízo pois a Peleja sem os personagens aconteceu a três dias atrás.


O que?

Isso é coisa do senhor vir me dizer?

Eu que não sou mulher de fugir de compromisso?
Como é que o senhor faz uma coisa dessas?

Dona Patolina que nunca se viu em tamanha situação não sabia o que isso significava.
Aí seu Patolino ficou doido varrido!

Como é que a dona Patolina iria engolir quando soubesse que a CONDENADA ali era ela?


Teria que pagar o que não devia pra Zumira, aquela caninana, calcavel de chocallho.

E como se não bastasse, como a merda estava voado mesmo, surgiu o boato que a jararaca era acostumada a colocar todo mundo no pau e que a dona Patolina já era a sexta.


Mas, espie mesmo!
-Eu não disse pra senhora?
-Eu não avisei?
-Bem que eu disse!


Aquela jibóia de três olho só faltava engolir a senhora quando comprava um vestido novo!

E a senhora mais besta que uma jumenta velha não via nada.
Acho que aqueles pratin de bolo que ela trazia pra senhora estava tudo enfeitiçado, porque se a senhora era besta ficou pior.


E agora? vai ter que trabalhar dobrado pra pagar a bonita!
E dona Patolina, calada estava e calada ficou. Ela não sabia ainda que não comparecendo estava assinando a propria sentença.
Mas, como não tinha apego material nenhum, iria pagar fosse quanto fosse sem reclamar.
E no outro dia bem cedinho o Dr. NC aparece com a cara mais lambida do mundo pra dar uma satisfação da sua falta de ética e compromisso.

Credo em Cruz!

É cada uma!

Se não fosse verdade, eu diria que era mentira!